Viagens 2/05/12

Roteiro Disney com as Crianças – parte 1

Flávia Gurgel é mãe da Carol (04 anos) e Felipe (quase 02 anos), e uma profunda conhecedora de Orlando. Além de ter ido 2 vezes quando pequena com os seus pais, lê muitos guias, revistas de viagens e foi 2 vezes como mãe da Carol e 2 vezes como mãe da Carol e do Felipe.  Vocês já devem imaginar o tanto de dicas boas sobre a Disney que ela deve ter, melhor de tudo, Disney com crianças pequenas! Por isso ela compartilhou abaixo com a gente 16 dicas sobre viajar para Disney e no próximo post mostraremos o roteiro de viagem.


1.    Tire da cabeça a ideia de “eles ainda são muito novos” ou “não vão lembrar de nada”. Isso é bobagem… Na verdade, se for pensar assim, só levaríamos nossos filhos viajar depois dos 7 anos, que é quando os especialistas falam que se cria a memória. E você vai esperar 7 anos para ver a cara do seu filho vendo o Mickey? Além disso, o que vale é a carinha dele, a magia, a fantasia e o quanto ele está se desenvolvendo naqueles momentos.

2.    Faça um voo noturno. Eles entram no avião dormindo e acordam quando estão chegando, a tempo de ainda tomar café da manhã no avião.

3.    Fique pelo menos 10 dias (dá pra ficar 7 também, mas é bem corrido);

4.    No avião, leve: DVD, brinquedos (o que entreter seu filho – vai que ele não dorme), comidinhas (levo sempre em 2 tupperwear – lá, acredite, você usa, pois sempre sobra comida ou sempre vem algum “mimo” como saquinho de uva, cenoura, cereal….),  duas trocas de roupa para cada, mamadeira, chupeta, uma coberta e meias. Eu sempre levo papinha (na mala do avião e na malona – um monte), pois nem sempre tem coisas saudáveis para comer. Levo também colher e guardanapo (ou lenço de papel ou fraldinha de boca). E claro, a farmacinha (tylenol, novalgina, rinossoro, protetor, repelente…).

5.    No Magic Kingdon, vá duas vezes e faça as duas com calma… o parque é cheio de detalhes e para as crianças, ele é “A Disney”.

6.    Intercale compras com parques e com parque aquático ou um dia no hotel;

7.    Fique num hotel dentro do complexo. Eles têm transporte, hotéis para todos os bolsos e toda infraestrutura. Vale tanto ficar naqueles hotéis que são tipo “casa”, com cozinha, máquina de lavar roupa etc (são mais caros, mas você tem uma solução dentro do quarto – e acredite, dentro da Disney, é uma grande vantagem, pois lá tudo tem que andar), além de poder fazer as compras num supermercado americano e experimentar novos sabores; ou em hotel “normal”. Mesmo no mais simples, você tem um mini mercado que fica dentro de um grande restaurante, inclusive pratos com comida mais “saudável”, lavanderia, máquina de refrigerante e água, de gelo etc. A desvantagem dos mais “simples” é que não tem frigobar e nem room service, o que é uma mão na roda quando você chega morto do parque e não quer andar até o restaurante para comprar comida. Peça pra deixar berço no quarto e se você precisar, uma cama extra. Caso fique fora do complexo, não deixe de alugar um carro para fazer tudo; Nos hotéis da Disney você ganha “key to the world”, ou seja, com a chave do carro você faz compras, come, bebe e entra nos parques. Detalhe: as compras feitas nos parques ou em Downtown podem ser entregues direto no quarto, ou seja, nada de ficar carregando sacola.

8.    Na Disney não há necessidade de babá. Caso você queira levar, você vai ter aquela ajuda, principalmente na parte operacional (lavar mamadeira, preparara a mala do outro dia, dar banho, comida) e também para poder ir aos brinquedos junto com o seu marido (eu, por exemplo, não vejo graça em ir sozinha em brinquedos). E a outra vantagem é poder esticar pra Miami (mas aí, vou falar no final das dicas). Se você me perguntar, fui duas vezes com babá, uma vez com a minha mãe e a outra só nossa família. Todas deram certo!

9.    No primeiro dia oficial (se seu voo for noturno), descanse e fique no hotel. Vá ao Walgreens, ao Pubix, dê uma volta e organize o roteiro. No segundo dia, vá à algum parque da Disney (de preferência, o Magic Kingdom, que como eu disse, é a Disney para eles) e no terceiro, aí sim, você pode ir no Outlet (as crianças já vão ter matado a vontade, vão estar menos ansiosas e você poderá fazer as compras mais sossegada).

10.    Conheça os 4 parques da Disney (O Hollywood Studios, antiga MGM, é o menor e que tem menos coisas. Nesse dia você poderá ir de manhã ao Florida Mall ou num parque aquático. Chegue no parque umas 15h00 e fique para assistir o “Fantasmic”, o melhor show da Disney), os 2 da Universal, o Sea World e se tiver tempo e gostar de montanha-russa, vá até o Busch Gardens. No caminho, pare e conheça a Legoland, um parque feito realmente para os pequenos (até nas montanhas-russas mais “radicais”, a Carol, de 04 anos, pôde ir).

11.    Compre todos os ingressos daqui do Brasil. Compre 6 dias para os parques da Disney (são 4 parques, mas aí você pode voltar) e compre normal (um só) para Universal e Grupo Seaworld. Da Legoland você compra na hora.

12.    Faça reserva, assim que definir a data da viagem em 3 Jantares / cafés. Também vale a pena fazer o “dinner plan”. Aí, você tem 3 refeições inclusas dentro de todo o complexo da Disney + 2 snacks (pode ser água, pipoca, sorvete). As refeições temáticas são inclusas nesse “pacote”.
a.    Café da manhã com as princesas no Castelo da Cinderela (imperdível!);
b.    Jantar com o Chef Mickey no Contemporary (Imperdível também, já que finalmente você está com todos os personagens);
c.    Café da manhã com outros personagens no Grand Floridian. O hotel é lindo e no caso, meu filho adora o Puff e o Tigrão e minha filha adora a Alice. E se você gosta de casamentos (no meu caso, trabalho e respira isso), do lado tem o “Wedding Pavilion”, onde acontece os casamento… Você fica no altar com o Castelo da Cinderela de fundo. Beeem Disney!

13.    Alugue um carro desde aqui. Duas coisas importantes: você vai usar para ir em todos os parques que não são da Disney e você pode e deve retirar e devolver no Hilton, perto de Downtown Disney. Você pega o ônibus da Disney pra lá, atravessa a rua e pega o carro. No aeroporto é muito confuso, tá todo mundo cansado e demora muito. Ah! Já daqui também, peça cadeirinha (s) e GPS. E leve carrinho daqui também.

14.    As melhores épocas para ir são Carnaval, março, abril, setembro e outubro. Não é muito cheio e a temperatura está excelente (nada de muito frio nem de muito calor).

15.    Enfim, compras! Leve mala extra, imprima antes os cupons de desconto e os mapas dos outlets, organize já daqui um roteiro para eles (outlet não é shopping onde você fica passeando e vendo vitrines) e aproveite! Realmente vale a pena, principalmente (já que aqui o foco são elas) coisas para as crianças.

16.    Ah! Miami! Miami só vale a pena se tiver alguém para ficar com as crianças, por 3 motivos:
a.    O gostoso de Miami são os bares, restaurantes e vida noturna. A ideia é poder fazer programa de adultos (a essa altura você não aguenta mais ver o Mickey e ouvir alguém dizer “have a magical day”).
b.    Você já fez todas as compras em Orlando (melhor para comprar do que Miami);
c.    Praia a gente tem no Brasil (e muito melhor).  E parques, pelo Amor, você acabou de sair de Orlando, ou seja, o ZOO e o Seaquarium não terão a menor graça perto do Seaworld e do Animal Kingdom.
d.    Caso você for e levar alguém, no final, dou algumas dicas de bares e restaurantes, OK?

Flávia Gurgel é organizadora de eventos e proprietária da Flavia Gurgel Organização de Eventos e da Flavia Gurgel Kids. No próximo post, o roteiro de viagem.