A escolha da Babá X Berçario

Eu achava que essa seria uma das decisões mais difíceis de ser tomada: colocar o Nicolas no bercário ou contratar uma babá para ficar com ele em casa? Mas de forma natural foi bem fácil decidir o melhor para a nossa família. Não existe certo ou errado, cada caso é um caso. No nosso caso foi assim: liguei para um bom bercário perto de casa para saber quanto custaria o período integral. Quase tive um enfarte com o preço… Conversei com o Mauro (marido) e decidimos que vamos colocar Nicolas direto no MBA que é mais barato, rs! Pior que um MBA é mais barato mesmo do que os bercários perto da minha casa!

Então comecei a pensar na opção de ter babá. Até Nicolas ter 5 meses, não tínhamos babá, eu adoro cuidar dele – e quando preciso me ausentar, posso contar com a ajuda da emprega doméstica que trabalha em casa, da minha mãe, cunhada. Mas quanto mais ele cresce, menos sonecas ele tira ao longo do dia, precisa de mais gente brincando e interagindo com ele o tempo todo – e para mim que trabalho em casa com os blogs já estava bem difícil focar no trabalho. Eu comentava com as pessoas “preciso de uma babá”, na verdade nem tinha muita pressa em ter uma, mas um dia, numa reunião de trabalho, fiz esse comentário e a pessoa respondeu que tinha uma ótima para indicar, uma babá que havia cuidado do filho dele até 3 anos de idade. E ainda por cima era pedagoga de formação (e mais barata do que o tal bercário, mesmo sendo uma babá cara!). Liguei para ela, marquei uma entrevista, conversamos pessoalmente e resolvi contratar. (Minha dica aqui é: se você pretende ter uma babá, cante isso aos quatros ventos – sempre aparece alguém com alguma indicação).

O meu pensamento foi: no bercário a profissional vai dividir a atenção do Nicolas com mais 2 ou 3 outros bebês, em casa a babá vai dar atenção em tempo integral para ele, vai seguir as minhas recomendações de rotina e cuidados e ainda por cima não vou precisar me preocupar em levá-lo e buscá-lo do bercário.

Algumas pessoas preferem bercário pela interação com outros bebês. Eu penso que é só um bebê de 6 meses, socializar não é essencial nesta fase. O vínculo afetivo do bebê com os pais ou cuidadores é muito mais importante nesta fase do que a socialização. Aprendi que é importante os bebês irem para a escola à partir de 2 anos, quando já se locomovem e se expressam com clareza, e nesta fase sim do desenvolvimento é importante aprender a conviver com outras pessoas, aprender regras de cidadania, limites, dividir, brincar com outras crianças da mesma idade. A partir de 2 anos a escola é muito importante!

No meu caso, ter uma boa babá, que está fazendo brincadeiras apropriadas para idade dele, com foco 100% do tempo nele, criando uma rotina que funcione para meu bebê, que vai me ajudar a fazer comidinhas saudáveis em casa, que limpa o quarto e banheiro do bebê diariamente, cuida de todas as roupinhas, esteriliza os brinquedos etc foi uma melhor opção do que deixar no bercário. E ainda tem aquele fator de não pegar doenças de outras crianças. (Preciso contar que no primeiro dia morri de ciúmes da babá, mas depois fui me acostumando).

Mas eu entendo que nem sempre as mães podem contar com uma babá de confiança e que muitas vezes colocar no berçário é a única ou melhor opção. Tudo bem também! Tem a vantagem de ter cuidados experientes (e que não vão de deixar na mão, pois se alguma profissional faltar, outra dará cobertura), alimentação adequada (muitas vezes melhor do que a mãe pode fazer em casa), espaço físico adequado.

Enfim, cada caso é um caso. Eu sei que meu texto foi tendencioso preferindo a babá versus o berçário, mas porque essa foi a minha experiência real para a minha família. O importante é avaliar os prós e contra de cada situação para a sua família e assim decidir o que tem mais “prós” para o seu caso.

Relações profissionais

CONVERSE COM A GENTE