Introdução Alimentar do Nicolas

Aqui em casa foi aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de idade – muito amor e orgulho por esta fase. Quando Nicolas completou 6 meses, foi justamente uma semana que fizemos uma viagem ao Chile. Achei mais prático continuar apenas com o leite materno do que tentar a introdução alimentar durante a viagem. Então introdução alimentar mesmo foi com 6 meses e 1 semana. 

Resolvi não seguir a recomendação da pediatra de iniciar com suco de laranja lima, que costumava ser a indicação de antigamente (amo minha pediatra, mas para nutrição, sigo os ensinamentos das nutricionistas). Os estudos de Nutrologia atuais mostram que ao ingerir suco, ingerimos mais frutose, perdemos as fibras e temos um pico de índice glicêmico. A fruta in natura sempre vai ter mais fibras, sempre será melhor. Suco, apenas após 1 ano.

Lógico que eu achei que meu filho seria o bebê mais esperto do mundo para começar a comer. Comecei com a banana. Achei que seria fácil. Nada! Só sentiu o gostinho com a ponta da língua e pronto. Apesar da recomendação de insistir com o mesmo alimento por vários dias, a ansiedade era grande. Cada dia eu oferecia um alimento diferente com a esperança dele amar e devorar a fruta inteira, rs! Mas ele não queria saber de comer nada. Já havia passado uma semana e ele não tinha gostado de fruta nenhuma, na verdade mal conseguir experimentar cada fruta, travava a boca, cuspia. E aí eu aprendi o que quero compartilhar com vocês:

– É por isso que o nome é “Introdução Alimentar”! É só uma introdução! A imensa maioria dos bebês não vai comer na primeira semana e cada bebê tem o seu tempo. Quando eu entendi que era apenas uma “introdução alimentar”, a ansiedade passou. 

– Bebês não sabem o que fazer com a comida na boca. É muita novidade para quem até então somente mamava no peito. Eles podem cuspir, travar a boca. É normal. Precisa de paciência. Não force a barra muito porque pode piorar e virar um pesadelo a hora da papinha. Cada bebê tem seu tempo.

É importante deixar o bebê sentir o alimento, segurar, poder levar à boca (já que normalmente com 6 meses, estão na fase de levar tudo à boca!). Assim ele ganha confiança, não é apenas uma pessoa colocando comida dentro da boca dele. Esse é o método tão comentado recentemente BLW (Baby Led Weaning), método de oferecer o alimento sólido para a criança segurar com a mão e levar à boca na velocidade que quiser, tendo a experiência de conhecer diferentes texturas e sabores. Eu acredito neste método combinado com  tradicional. Deixava pedaços de maça, pêra, laranja (na hora do lanche), cenoura, brócolis (nas papinhas) e ele levava à boca para chupar. Entre uma “mordida” e outra, eu oferecia o alimento raspadinho/ amassadinho. Assim ele “sabia o que estava acontecendo” e começou a comer melhor.

– Na primeira semana tentei fruta 1X por dia + leite materno livre demanda.

– Na segunda semana, mais tentativas de fruta 1X por dia. Até que resolvi trocar a fruta por cenoura. Deu certo! Ele adorou, comeu bem a cenoura, eu entrei em êxtase! Depois da cenoura, tentei a mandioquinha, também deu certo. Descobri que Nicolas não gosta de frutas, mas come bem os salgados.

– Na terceira semana, fruta no lanche da manhã (raramente come muito), papinha no almoço e jantar + leite materno livre demanda. Oferecia a papinha no almoço e jantar porque ele não aceitava bem frutas, mas comia bem salgados. Por “comia bem” entenda 2 a 3 colherzinhas por refeição! O começo foi bem devagar mesmo, mas era a quantidade que ele queria, precisamos respeitar.

– À partir da quarta semana foi quando eu voltei à trabalhar no escritório. Mostro no próximo post como ficou a alimentação dele.

Nestas primeiras semanas, cada refeição era mesmo uma “sujeirada”. Sujeirada do bem, da experiência nova. Eu deixava ele pegar a comida com a mão, levar à boca, ele sujava o rosto inteiro, após cada refeição precisava de um banho! Mas pelo menos adquiriu confiança no que estava acontecendo e começou a comer bem. Hoje, 2 meses após o início da Introdução Alimentar, já não tem mais essa “sujeirada”. Pena que na época não fiz vídeo dos dias em que ele cuspia a comida e não sabia o que era para fazer com a papinha na boca. Mas tenho vídeos dos dias em que começou a comer – muita emoção em compartilhar esses momentos com vocês. O vídeo começa com o primeiro dia da introdução alimentar (que foi um fracasso) e depois tem cenas fofas gravadas com celular mesmo!

Relações profissionais

CONVERSE COM A GENTE