Seletividade Alimentar | o que funciona ou não

Vou falar um pouco minha experiência com seletividade alimentar:

O QUE AJUDA a resolver seletividade alimentar:

– Todos em casa serem o exemplo, ter um hábito de alimentação variado e saudável, ter oferta variada, mesmo que não vá comer.

– Consulta com nutricionista para sugestões criativas de oferecer nutrientes, aprender outras sugestões de cardápio, outras formas de oferecer o mesmo alimento.

– Consulta com uma fonoaudióloga especialista em alimentação/ Motricidade Orofacial ou Disfagia para investigar dificuldade com a mastigação, dificuldades sensoriais ou recusa e desinteresse por comida. Ela pode encaminhar para outros profissionais como terapeuta ocupacional ou psicóloga.

– Consulta com endocrino infantil para exames de crescimento.- Consulta com otorrino para avaliar amígdalas, se há necessidade de cirurgia, se é o caso da criança não ter interesse por comida por não sentir muito o paladar/ olfato.

– Retirar a mamadeira/ leite em excesso.

– Promover uma relação afetiva com a comida.- Aceitar a condição do momento, acontece em muitas casas, ninguém morre de fome em casa que tem comida e a partir daí investigar, criar estratégia, ter paciência.

O QUE NÃO AJUDA a resolver:

– Se desesperar

– Chorar na frente da criança

– Chantagem

– Culpa

– Forçar a comer

– Achar que não comer arroz e feijão todos os dias é um problema, nem existe esse hábito alimentar na maioria dos países.

Por aqui, particularmente, almoçar na escola sempre ajudou, no ambiente junto com todos os amigos. Foi na escola que Nicolas provou couve e me pediu em casa (mesmo sempre tendo em casa). Com 4 anos estava provando outros alimentos na escola e melhorando. Com 5 anos, pandemia, mais tempo em casa, regrediu. Agora com 6 anos, almoçando na escola, começou a melhorar novamente.

Lembrando que cada caso é um caso. Aprendi que não é sobre “fazer a criança comer” e sim “quais são as razões para não querer comer”. Pense desta forma, com suas expectativas.


Estes livros me ajudaram bastante no processo:


Veja mais posts sobre alimentação da criança aqui.

Relações profissionais

CONVERSE COM A GENTE