Porque controlar o açúcar na gestação!

Natália Vignoli é nutricionista, mamãe da Letícia e colaboradora do blog com suas dicas de nutrição para grávidas, mamães, bebês e crianças.

Durante a gestação acontecem muitas mudanças metabólicas, uma delas é com o metabolismo da glicose – o açúcar! Graças ao hormônio HPL, a mulher fica mais resistente à ação da insulina (hormônio responsável pela captação de glicose no sangue) durante a gestação.

Isso acontece de propósito! A glicose é o principal alimento e fonte energética do feto! Já para a gestante, a gordura passa a ser a sua principal fonte energética. O bebê depende totalmente da glicose materna, mas calma lá, isso não quer dizer que quando engravidamos devemos comer mais açúcar!

Não digo “muito pelo contrário”, mas esse açúcar deve ser controlado. O ideal durante a gestação é o consumo de carboidratos integrais e de baixo índice glicêmico (alimentos que liberam açúcar aos poucos no organismo), e baixo consumo de açúcar.

A partir da 12ª semana gestacional, o bebê começa a produzir a sua própria insulina, a fim de metabolizar a glicose fornecida pela mãe. Da mesma maneira, por depender da ingestão de alimentos fontes de açúcar da mãe, a glicemia fetal é bem próxima à glicemia materna e é aqui que devemos nos atentar!

Toda vez que exageramos no açúcar, temos um pico de glicemia e estimulamos muito a insulina (precisamos de mais hormônio para metabolizar tanto açúcar). Em grávidas, esse pico de glicose que acontece na mãe – que já é levemente resistente à insulina – também acontece no bebe, estimulando mais e mais a sua insulina.

Quando essa situação é recorrente, o constante estímulo à insulina do bebê gera um aumento no depósito de gordura podendo levar ao chamado “bebe muito grande”. Além disso, quando o feto é exposto a altas taxas de glicose, mantém sua produção de insulina alta e, quando nasce – e começa a amamentação – pode sofrer uma hipoglicemia, já que a oferta de açúcar com o aleitamento materno, não é a mesma que antes.

Além disso, há um maior risco no desenvolvimento de diabetes gestacional na mãe, principalmente após a 20º, 24ª semana gestacional, podendo levar a diversas complicações, como hipertensão, por exemplo.

Contudo, justamente pela necessidade de disponibilizar esse açúcar para o feto, a gestante costuma a ter uma hipoglicemia em jejum, sendo muito importante que essa mamãe coma a cada 3 horas!

Para não errar a mão, prefira sempre carboidratos integrais, como arroz integral, quinua, amaranto, canteio, feijões, aveia e frutas acompanhadas com farelos e cereais ricos em fibras, como aveia, granola, cereal matinal rico em fibras. Controle a síndrome de formiga e não caia de boca nos doces! Moderação sempre!

No próximo post vou te dar uma receita rica em fibras e docinha, para matar a sua vontade de doces!

Colunista_Natalia

Relações profissionais

CONVERSE COM A GENTE