Dicas sobre a amamentação – parte 2

Natália Vignoli é nutricionista, mamãe da Letícia e colaboradora do blog com suas dicas de nutrição para grávidas, mamães, bebês e crianças.

Hoje vamos continuar as dicas sobre a amamentação! Essa é a segunda parte.

Logo após o parto, o ideal é que o bebê tenha a oportunidade de mamar na primeira hora de vida. Isso ajuda, como já havia comentado no post anterior, na liberação de diversos hormônios, contração uterina e descida do leite. Para quem teve parto normal, colocar o bebê no seio logo após o nascimento ainda favorece a saída da placenta!

No hospital, fazer o alojamento conjunto, é bastante importante para a prática de livre demanda e essencial para evitar a administração de leites artificiais para o bebê no berçário. Isso é outra questão que pode ser levada ao pediatra, solicitando que deixe em prontuário a proibição do uso de fórmulas no bebê.

O colostro, um líquido viscoso e amarelo presente nesses primeiros dias, é rico em proteínas e anticorpos. Atua como a primeira (e mais importante) “vacina” do bebê, além de proteger o seu tubo digestivo e, por ter um efeito laxativo, auxilia na eliminação do mecônio. Vale salientar que o estômago do bebê é pequeno e que o colostro dá conta de nutrir o recém-nascido nesses primeiros dias.

Além disso, uma perda de até 10% do peso do nascimento é esperada na pesagem da saída do hospital! No primeiro mês, é importante que o bebê recupere a perda de peso que teve nos seus primeiros dias, mas nada de terrorismos e neuras com o ganho de peso!

Já a apojadura – ou a descida do leite – que em geral acontece depois de poucos dias, pode ser dolorida. Você deve ficar atenta à formação de nódulos, principalmente se ficarem vermelhos, quentes e doloridos – nesse caso, ligue imediatamente para o médico.

Faça massagens, de dentro para fora, em movimentos circulares e sempre que possível ordenhe o excesso do leite, dissolvendo esses nódulos. Dê umas sacudidas nas mamas! Sim, isso ajuda muito! Use sutiãs que deixam os seus seios bem erguidos, evitando a formação de nódulos.

Alguns profissionais ainda orientam a compressa fria nos locais aonde formaram os nódulos, para limitar um pouco a produção de leite nesse local. Esses sintomas tendem a sumir após alguns dias da descida do leite, mas se continuar ou apresentar febre procure ajuda especializada!

No próximo post, vamos falar das questões mais comuns que aparecem quando a mamãe já está em casa!

Colunista_Natalia

Relações profissionais

CONVERSE COM A GENTE