Vestido de Pai | Entrevistamos o pai do Nicolas!

O Dia dos Pais não poderia de jeito algum passar em branco aqui no blog! No clima de comemorações dessa data tão especial, a redação teve uma ideia: decidimos entrevistar o Mauro, o superpai do Nicolas. Em seu 1o Dia dos Pais oficial, ele conta como foi assumir a paternidade, fala sobre o dia do nascimento, revela que a hora do banho virou um momento especial entre eles, confessa que sempre quis dar um nome de super herói pro filho e muito mais! Confira, a seguir, relatos sobre essa nova fase da sua vida:

Como a Fernanda te contou que estava grávida, você lembra bem desse dia?
Eu lembro perfeitamente, foi até engraçado. Antes do nosso casamento, ela me deu um par de abotoaduras pra camisa do casamento. Depois, em uma festa, eu acabei perdendo uma delas. Ai o que aconteceu: no dia de contar, ela foi até o shopping, comprou uma caixinha, colocou um lenço bordado dentro escrito “Papai”, embrulhou e me deu. Quando eu peguei, achei que era uma abotoadura e já estava super feliz, mas, ai, quando abri foi ainda mais emocionante. Foi uma surpresa total, eu não esperava nenhum pouco.

É fácil de um dia para o outro assumir esse papel de pai, como foi isso na sua cabeça?
É óbvio que você vê a sua esposa passando por todas as fases no pré-natal, etc. Mas, a ficha realmente só cai na hora que você escuta o primeiro gritinho na maternidade. Acho que acaba caindo a ficha quando você está indo pra maternidade, você pensa: tá, agora é pra valer.

Imagino que o momento de levar e acompanhar a mulher na maternidade é uma responsabilidade muito grande pro marido, certo?
Existe uma cumplicidade muito grande nossa no antes. A gente viajou pra fazer as compras do enxoval, ela sempre me consultava para tudo, pedia a minha opinião. Tudo isso vai te preparando, você vai se acostumando com a ideia. Então, mesmo depois que ele nasceu, eu quis estar muito presente. Quem dá banho sou eu, nunca tive problema de trocar a fralda. Chegar em casa é sempre uma alegria, ele abri um sorriso, é sempre uma alegria.

Como foi o dia do nascimento? Pro pai a perspectiva desse dia deve ser diferente..
Acho que você muda a chavinha da sua vida a partir do momento que você escuta o primeiro chorinho dele. A Fê teve parto normal. Estava tudo indo bem, ela estava com dilatação. Mas, na sala de parto, ele demorou pra nascer, porque ele estava com o cordão umbilical enrolado três vezes no corpo, então ela empurrava e ele não saia, porque o cordão puxava ele de volta pra dentro. Então eu não fiquei só assistindo, eu acabei ajudando no parto, realmente participei porque enquanto ela fazia força eu ficava segurando as costas dela, pra ela ter foco na força. Foi um trabalho de equipe e na hora que ele nasceu, que eu escutei o chorinho, tive o alívio de uma vitória e feliz por ter participado. O chorinho muda a sua vida, é uma inversão total de valores, todas as alegrias e atenções acabam virando pra ele e a gente aceita isso com a maior naturalidade do mundo.

Como está sendo essa fase de novidades, em que tudo é a primeira vez: o primeiro banho, a primeira troca de fraldas, o primeiro sorriso?
Eu costumo dizer que cada dia é um dia diferente, porque não só ele vai mudando, como as brincadeiras, tudo. Essa semana, por exemplo, ele começou a colocar o pé na boca, eu achei o máximo. Cada dia é uma surpresa diferente e passa muito rápido. Ele acabou de fazer quatro meses e parece que foi ontem que fomos pra maternidade.

Como está a rotina, vocês dividem as tarefas, tem alguma tarefa que você não abre mão?
Eu sempre dei o banho. É legal porque é um momento nosso e eu gostaria de preservar isso.

Foi muito difícil escolher o nome?
Descobrimos que era menino. Eu não tinha preferência, mas sempre quis dar nome de super herói pro meu filho. Clark Kent não ia dar, Luke Skywalker não ia dar… Dai eu pensei: por que não Nicolas? Estava super em alta por causa do filme Os Vingadores, que tem o Nicolas Fury, interpretado pelo Samuel Jackson – no final das contas quando ele nasceu a gente achou que ele tem muita cara de Nicolas mesmo. Casou perfeitamente.
O pai deve sentir muita ansiedade também durante a gravidez. Em algum momento você ficou inseguro, sentiu dúvidas se daria conta?
Nesse ponto eu acho que sempre fui muito seguro. Na hora que ele nasceu, eu comecei a fazer as coisas meio que instintivamente, em uma mistura de amor e instinto. As coisas pra mim foram muito naturais, eu até falo para os meus amigos que ter tido um animal de estimação sempre, de cuidar de um ser vivo, já te prepara. Eu até me assustei com a naturalidade na forma de lidar com o Nicolas. Você enche ele de amor e carinho e ele com certeza retribui isso pra você.

Você sente que pessoalmente mudou muito com o nascimento?
A sua rotina muda completamente, mas pro lado positivo, de você querer chegar em casa porque sabe que vai poder brincar com ele, que ele já vai abrir um sorriso. Muitas pessoas falam que é muito sacrifício, mas eu acho que a recompensa, as alegrias e o que você aprende com ele torna tudo muito mais gratificante do que trabalhoso.

Gostaria de falar mais alguma coisa?
Sim, que eu super recomendo! Vale muito a pena. A experiência está sendo excelente. Ter um bebezinho em casa realmente é uma delícia.

Relações profissionais

CONVERSE COM A GENTE