Introdução Alimentar do Nicolas | Rotina

No post anterior falamos sobre alguns pontos básicos da Introdução Alimentar. Agora vou contar a rotina mais detalhada.

Com 6 meses

Eu ainda estava de licença maternidade em casa. Assim, conseguia acompanhar a introdução alimentar dele e oferecer leite materno em livre demanda. As duas primeiras semanas foram de muitas tentativas com frutinhas, ele cospia tudo. Quando começou a comer papinha, não passava de 2 colheres. Não foi fácil às 3 primeiras semanas. Mas depois que ele aprendeu “o que fazer com o alimento na boca”, tudo entrou numa boa rotina. Basicamente ele mamava ao acordar, fruta de lanchinho da manhã, papinha de almoço, mamava de lanche da tarde, papinha de jantar, mamava após banho, dormia, mamava de madrugada. Ele mamava sempre a hora que quisesse (amo dar de mamar), então às vezes tinha mais mamadas, algumas madrugadas ele acordava mais vezes, outras não acordava, variava muito.

Com 7 meses

Com o retorno ao trabalho, minha preocupação número 1 era a amamentação, eu não queria parar de amamentar. Na semana anterior ao retorno do trabalho, comecei a fazer um banco de leite materno no meu congelador. Assim para qualquer “emergência de fome” do Nicolas, havia leite meu disponível. A rotina ficou assim: dava de mamar antes de sair para o trabalho (7h), fruta de lanchinho (9h), papinha de almoço (11h30), meu leite extraído no dia anterior de lanche da tarde (14h30), papinha de jantar (17h30), mamava um pouco quando eu chegava em casa (ao me ver, já queria mamar!) (18h30) e como eu ficava com os peitos cheios, extraia também leite para o dia seguinte, mamava após banho (20h30-21h) e mamava novamente antes de dormir (às vezes dorme só às 22h30) e de madrugada. Ou seja, pelo menos 4 vezes por dia, no mínimo, ele tinha meu leite materno.

Com 7 – 8 meses

Após algumas semanas dessa rotina exaustiva de extrair leite todos os dias, eliminei a extração de leite e comecei com o NAN, já necessário como complemento. Na verdade, fui bem resistente, quis morrer no primeiro dia que a babá ofereceu leite artificial. Amo amamentar, já disse. Mas realmente com minha rotina pesada de muito trabalho, já não estava mais conseguindo extrair tanto leite. O importante é que não parei de amamentar. Continuei, pelo menos 4 vezes ao dia, amamentando: antes de sair do trabalho, quando retorno do trabalho, após banho e de madrugada. Morri de medo diminuir o leite, mas acho que muito é psicológico: coloquei na minha cabeça que tudo daria certo e as coisas foram dando certo. Alinhada com minha pediatra, a rotina de alimentação do Nicolas está como o esqueminha abaixo. Lembrando que isso é o que funciona para o Nicolas – talvez outros bebês tenham necessidades diferentes, então sempre consulte seu médico.

 

Relações profissionais

CONVERSE COM A GENTE