Trabalho de Parto

Por: Camilla Antunes

Davi chegou numa bela manhã de sol depois de muitos dias de céu cinzento.  Era 22 de dezembro, início da minha estação do ano favorita.  Comecei a sentir as primeiras contrações ainda de madrugada e quando saí de casa a caminho do hospital, os primeiros raios de sol apareciam no céu azul. Sem dúvidas era prenúncio de boas vindas.

Assim que descobri a gravidez, comecei a minha busca por informação.  Tinha sede de conhecimento.  Acompanhava blogs, lia livros e perguntava. Perguntava muito. Não podia ver uma grávida, uma mãe, um estudioso do assunto que tentava tirar o máximo de informação do contato. E foi assim que tomei a decisão mais acertada de toda a minha gravidez: o trabalho de parto.

Sempre tive vontade de tentar o parto normal. No entanto, sabia  que o meu médico era um cesarista convicto. Por um lado, não queria me iludir durante nove meses para no final, em meio às mesmas desculpas de sempre, ”entrar na faca”. E por outro, não queria trocar de médico já que não tinha dúvidas de sua competência e carinho comigo (foi ele quem fez a cirurgia para retirada do ovário na qual acabei criando um bom laço afetivo).

Daí, numa das primeiras consultas tivemos uma conversa franca. Deixei bem claro que para mim não importava  a forma como o parto seria conduzido, só faria questão de entrar em trabalho de parto. Queria que o meu filho viesse ao mundo no momento dele, com o meu corpo entendendo que havia chegado a hora de cortar o cordão umbilical. A expressão cesárea marcada passou a ser um pesadelo para mim.

E assim fizemos. Apesar do Davi estar previsto para chegar entre o Natal e o Réveillon, não me preocupei se ele nascesse em uma dessas datas. Passar a virada do ano ou a noite de Natal no hospital não me assustava nem um pouco se essa fosse a hora escolhida por ele para vir ao mundo. Também não fiquei nem um pouco ansiosa. Minha mãe dizia que eu era a única grávida do mundo sem pressa para o nascimento do filho.

Como o universo sempre conspira a nosso favor, o Davi resolveu chegar  dois dias antes do Natal. E eu realizei o sonho de entrar em trabalho de parto. Acordei com uma forte cólica que só foi crescendo com o amanhecer do dia. Senti muitas dores das quais me recordo com uma enorme satisfação. Dores essas que me deram tranquilidade durante a cirurgia e confirmaram a importância do trabalho de parto no período inicial de adaptação da minha nova família.

Além de todos os benefícios para o nosso corpo e mente, o trabalho de parto é fundamental para a produção do leite materno e a amamentação do pequeno. E esse será o assunto do nosso próximo encontro. Até breve!

Relações profissionais

CONVERSE COM A GENTE